Eles conseguiram mudar para melhor a vida em seus condomínios..

Ações rápidas para aliviar o caixa

Em dezembro de 2015, Neide Carvalho assumiu o posto de síndica no Residencial Linea, no bairro Barreiros, em São José, com um grande desafio: controlar os altos gastos. Com 326 unidades distribuídas em três torres, o condomínio foi entregue pouco tempo antes e, sem moradores ocupando todos os apartamentos, as contas acabaram ficando sobrecarregadas.

Com experiência em Administração, Neide começou a gestão já promovendo mudanças. O primeiro passo foi a substituição das minuteiras, que em alguns espaços deixavam as luzes acesas 24 horas. “Modificamos para um minuto, tempo de acender e apagar”, conta ela, que teve que lidar ainda com as constantes reclamações dos moradores. “Eles reclamavam porque a conta de luz estava muito alta”.

A próxima etapa foi iniciar a substituição das lâmpadas comuns pelas de LED, começando pela iluminação do pátio, em que o acendimento é acionado das 18h às 6h. Enquanto isso, outra ação: o revezamento de utilização dos elevadores. Com três equipamentos em cada torre, a decisão foi deixar apenas dois ligados por vez. “O funcionamento é revezado uma vez por semana, o que também ajudou a baixar o custo”, relata Neide.

Todas as ações foram acompanhadas de uma intensa campanha de conscientização junto aos condôminos. E deu certo: “se alguém vê algo fora do lugar, alguma luz acesa, vai lá e faz a sua parte”, comenta a síndica. O resultado do trabalho foi a diminuição da conta de energia de R$ 14 mil para R$ 6 mil. “São ações bem legais que fazem a diferença”, comemora. “O síndico pode aumentar o valor do patrimônio de todos, assim como diminuir, então é bem importante essa função. Tenho uma fala que é ‘essa casa é nossa’, para as pessoas se conscientizarem de que cada pedacinho aqui também faz parte da sua casa, e vamos juntos cuidar dela”.

O abandonado transformado em ‘quintal de casa’

Há alguns anos, os moradores do Miramar Residencial, no Centro de Florianópolis, precisavam usar o carro para se deslocar aos locais de lazer. Caminhar nos arredores do condomínio após anoitecer, então, nem pensar. Com o Parque da Luz como “quintal de fundo”, o edifício ajudou a mudar esse cenário ao aderir à Associação Amigos do Parque da Luz – atualmente, nove condomínios da região fazem parte da iniciativa.

Com o matagal e a escuridão que marcavam o local deixados no passado, hoje a área pública conta com iluminação, parquinho para as crianças, paisagismo, campo de futebol e até grupos que se reúnem para fazer atividades ao ar livre. “O pessoal tinha muito medo de passar lá. Eu, inclusive, nem gostava de ir ali na frente. Mas agora é como se fosse o quintal de casa”, conta a síndica do Miramar Residencial, Marli Heidemann Bonetti.

Páginas: 2 de 3 | AnteriorPróxima